Canada

Canada

Um Reconhecimento à Altura das Causas Sociais

A mensagem do empreendedor Arnon Melo à comunidade brasileira após a conquista da Ordem de Rio Branco – a maior condecoração do governo federal concedida a um cidadão brasileiro.

Por Jandy Sales | 1 de março de 2022

Arnon Melo, com a insígnia da Ordem de Rio Branco no peito, ao lado do Ministro das Relações Exteriores,
o embaixador Carlos Alberto França, durante a solenidade de condecoração.
Foto:Ricardo Oliveira

Um email recebido no dia 26 de novembro de 2021 do secretário da Ordem de Rio Branco, Alan Coelho de Séllos, deixou o presidente da MELLOHAWK Logistics, Arnon Gastaldello Melo, bastante surpreso e confuso.

No email, o Palácio do Itamaraty comunicava que o Brazilian Canadian nascido em Taquarituba, interior de São Paulo, havia sido admitido no grau de Oficial da Ordem de Rio Branco. “Achei que era uma notícia falsa ou golpe, um spam ou brincadeira”, disse Melo.

Mas logo tudo foi esclarecido após telefonema feito por Arnon Melo ao Consulado-geral do Brasil em Toronto. E mais uma vez ele foi tomado de surpresa. A conquista da insígnia da Ordem de Rio Branco foi fruto de uma recomendação feita pela embaixadora Wanja Campos da Nóbrega.

Segundo Melo, a embaixadora havia elaborado um relatório sobre as ações dele voltadas para a comunidade brasileira de Toronto. Ainda no documento enviado ao Itamaraty, fora mencionado o trabalho do empresário como membro eleito do Conselho Brasileiro de Cidadania de Ontário (CONCID).

O empresário Arnon Melo ao lado da embaixadora Wanja Campos  da Nóbrega, do Consulado-geral do Brasil em Toronto.  Foto: Peter Hawkins

 

 

 

Equipe do Conselho Brasileiro de Cidadania de Ontario (CONCID) – Gestão 2019-21

 Foto: Fernanda Vicentin

PANDEMIA E REPATRIAÇÃO

Outra grande ação humanitária de Melo que mereceu menção no documento da embaixadora ocorreu ainda na primeira onda de contaminação da pandemia do coronavírus.

Em junho de 2020, Melo e sua equipe do CONCID arregaçaram as mangas para ajudar 600 brasileiros regressarem para casa a fim de evitar que os mesmos não sofressem os imbróglios da pandemia longe de suas famílias.

O trabalho de repatriação – segundo Melo, foi resultado de uma ação conjunta entre o CONCID e os consulados brasileiros de Toronto e Ottawa. “Foram meses intensos nos quais recebemos vários pedidos de ajuda por parte de brasileiros em todo o Canadá”, afirmou.

Membros do CONCID no aeroporto de Toronto no dia 25 de junho de 2020. Foto: Peter Hawkins

Surpreendidos pela pandemia, cerca de 600 brasileiros retornaram ao Brasil, em 2020, graças ao empenho de Arnon Melo e da equipe do CONCID.

PALETÓ E GRAVATA: UNIFORME DE TRABALHO

O desafio de circular pelo mundo canadense falado em português e em inglês é muitas vezes uma barreira para muitos imigrantes brasileiros. No caso de Arnon Melo esse problema parece nunca ter existido.

Dono de um tom de voz polido e de diálogo cativante, Melo circula pelo planeta multicultural do Canadá com desenvoltura e faz do paletó e gravata o seu uniforme de trabalho.

O ‘uniforme’ elegante é o cartão de visita de Arnon Melo dentro e fora das quatro paredes do escritório da MELLOHAWK Logistics.

BRINDE AOS NEGÓCIOS E DISCURSO DA PAZ

A participação ativa de Melo na comunidade brasileira é diversificada. A diplomacia dele pode ser testemunhada nas mais diferentes ocasiões.

Em abril de 2018, Melo foi anfitrião de uma solenidade que reuniu potenciais empreendedores. O evento, realizado pelo CONCID, fez do saguão da Prefeitura de Toronto uma vitrine para os negócios.

Evento promovido pelo CONCID na Prefeitura de Toronto
em abril de 2018.    Foto: Fernanda Vicentin

Melo também tem feito uso do discurso de negação ao ódio nesses tempos de polarização política. A mensagem de paz dele ocorreu durante protesto de brasileiros no dia 7 de setembro de 2019. Na época, centenas de brasileiros se reuniram nos arredores da Nathan Phillips Square para protestar o suposto descaso do governo federal brasileiro com as queimadas da floresta amazônica.

Em meio a efervescência dos discursos dos manifestantes, Melo usou o microfone para dar um recado: “Não vamos aceitar que o discurso do ódio esteja presente em nossa comunidade”, enfatizava ele que, momentos antes, havia participado – a poucos metros da manifestação, da solenidade de hasteamento da bandeira brasileira em frente à Prefeitura de Toronto.

AMOR À PÁTRIA, À PROFISSÃO E AO PRÓXIMO

Arnon Melo encontrou espaço na agenda para falar à Discover Magazine sobre o significado que a insignia da Ordem de Rio Branco tem pare ele. A condecoração pode ser considerada o acontecimento mais importante da vida de Melo e – por que também não dizer, de toda a comunidade brasileira do Canadá.

Arnon Melo recebeu a insígnia da Ordem de Rio Branco durante cerimônia em Brasília ao lado do sócio nos negócios, Peter Hawkins, e da irmã, Dra. Adriana Melo.   Foto: Ricardo Oliveira

 

Discover MagazineO que você sabia a respeito da Ordem de Rio Branco antes de ser condecorado com a insígnia?

Arnon Melo – Não sabia nada sobre a Ordem de Rio Branco. Quando li a respeito, me emocionei com o que a Ordem representa. A expressão em latim, “Ubique Patriae Memor“, foi extraída do ex-libris do Barão do Rio Branco e se traduz como, “Em qualquer lugar, terei sempre a Pátria em minha lembrança“. Ela representa o que sempre pensei como brasileiro vivendo no Canadá, pois escolhi o Canadá como país para morar, mas jamais esqueci minhas origens, de onde venho e, principalmente, o amor que sinto pelo Brasil.

DMComo foi a missão de ajudar os brasileiros a retornar ao Brasil durante a crise da Covid-19?

AM: Por causa da falta de voos para o Brasil, muitas famílias brasileiras ficaram presas no Canadá e numa situação de necessidade extrema por não terem mais recursos, comida e nem abrigo para permanecerem no país. Nosso trabalho, a partir do mês de março de 2020, quando ficamos sabendo de vários brasileiros passavam por necessidade, somente acabou em junho quando os voos realmente aconteceram.

DM  O que mais te motiva a dividir a tarefa de empreendedor com a da causa social?

AM – Sempre gosto de dizer que amo minha profissão e tenho uma gratidão profunda por tudo que construí com meu parceiro Peter Hawkins. Criamos a MELLOHAWK Logistics juntos e este ano nossa parceria como empresa completa 20 anos. Foi sendo um empreendedor que aprendi a me doar não somente aos meus clientes, mas também às pessoas que pediam conselho sobre uma carreira profissional ou como começar seu próprio negócio. Sempre fiz vountariado no Seneca, faculdade onde me formei, pois acho importante dividir nossa trajetória e experiência para ajudar o próximo.

DM A conquista da insígnia da Ordem de Rio Branco pode servir de inspiração para outros brasileiros no Canadá a abraçar a ideia do voluntariado. Você considera a comunidade brasileira, especificamente a de Toronto, engajada em ações sociais?

AM – Eu espero que a minha conquista da insígnia possa, sim, inspirar outros brasileiros e canadenses a abraçar o voluntariado. Eu espero que todos que fazem um trabalho voluntário o façam, acima de tudo, por amor e dedicação ao próximo. Eu acredito, sim, que a comunidade brasileira está engajada em ações socias. Vejo hoje vários grupos bem estruturados que trazem informações e ajuda à comunidade. A cada dia que passa vejo uma união mais forte da nossa comunidade.

Acho fundamental o papel do voluntariado, pois permite conhecer pessoas, profissões e situações diferentes. O Canadá enxerga o voluntariado como algo fundamental na formação de um profissional.

DM – No papel de executivo e de cidadão, como você tem enfrentado a pandemia?

AM – Como executivo a pandemia tem trazido vários desafios para nossa empresa e para nossos clientes. Temos trabalhado muito para poder suprir as necessidades de nossos clientes devido a crise mundial de abastecimento. Apesar de tudo foram dois anos muito produtivos e de crescimento e que trouxeram um momento de aprendizado muito grande para todos nós. Como cidadão, tenho me dedicado ainda mais ao meu trabalho voluntário e tentando apoiar a todos a minha volta.

DM – O que você espera de 2022?

AM Eu espero que 2022 seja o começo do fim da pandemia. Que seja um ano que traga transformação e mudanças positivas para o Canadá e o Brasil. Que possamos continuar a falar sobre diversidade e inclusão e ter mais respeito por todas as minorias e grupos que sofrem preconceito não só no Canadá, mas principalmente no Brasil. Que possamos nos amar e respeitar cada vez mais.

—-

 

*Clique   aqui   e assine nossa Newsletter.

A edição de inverno da revista DISCOVER está disponível  no nosso website:

https://www.magazinediscover.com/discover-digital/

 

Jandy Sales

Jandy tem experiência em rádio, televisão, jornal e revista. Ele já recebeu três prêmios como documentarista.

Veja também