Brazil

Brazil

Um breve cenário do turismo do Brasil

Turismo internacional  cresceu 6% em 2018

Por Jeanine Pires

Nas últimas seis décadas o turismo se expandiu territorialmente pelo planeta, tornando-se uma das maiores atividades econômicas na geração de empregos, investimentos, divisas e contribuição para o PIB global. O turismo internacional registrou em 2018, segundo dados da Organização Mundial do Turismo (OMT), 1,4 bilhões de chegadas ao redor do mundo; crescimento de 6 % em relação ao ano anterior; e respondeu por 1 em cada 10 empregos.

No primeiro semestre de 2019 (janeiro a junho) o turismo mundial cresceu 4% segundo a Organização Mundial de Turismo (OMT); esse crescimento tem se mantido por fatores positivos como o aumento da conectividade aérea, a facilitação de vistos ou o ritmo da economia global. Por outro lado, alguns temas preocupam as lideranças do setor, como as incertezas do BREXIT, o enfraquecimento de algumas economias nacionais e tensões regionais em torno do comércio.

Turismo como força importante de desenvolvimento

Com um crescimento acima do ritmo da economia global, o turismo se torna uma força importante do desenvolvimento; a OMT estima que a chegada de turistas internacionais no mundo alcançará, em 2020, cerca de 1.585 mil pessoas e 1.809 mil em 2030. Enquanto o crescimento da década (2000 – 2010) foi de 40%, a década em que estamos deve ser de 42,8%; e na próxima (2020 – 2030) projeta-se um crescimento de 33% em número de turistas internacionais.

Brasil: o turismo  cresceu o dobro da economia nacional em 2018

No Brasil em 2018, o turismo cresceu o dobro da economia nacional, 3,1%; os empregos diretos e indiretos no país chegaram a 6,8 milhões, com uma projeção de chegar a mais de 8 milhões em 2025 segundo o World Travel & Tourism Council (WTTC). A chegada de turistas internacionais atingiu 6,5 milhões em 2018, com grande potencial para crescimento contínuo nas próximas décadas, desde que ações de promoção e recursos sejam investidos nos principais mercados emissores. Foram 11,6 milhões de desembarques internacionais, um aumento de 9% em relação a 2017 (brasileiros e estrangeiros chegando ao Brasil). De janeiro a dezembro de 2018, os turistas internacionais injetaram US$ 5,92 bilhões na economia brasileira, frente aos US$ 5,81 bilhões registrados no mesmo período de 2017.

No mercado doméstico, em 2018, foram registrados 95,5 milhões de desembarques domésticos no Brasil, um crescimento de 3.66% em relação a 2017; a oferta de assentos em voos cresceu 4,88% e a demanda 4,47%, segundo a Associação Brasileira de Empresas Aéreas (ABEAR). O volume de passageiros transportados cresceu 3,58%, chegando a 84,5 milhões de pessoas.

2019

O ano de 2019 começou com algum otimismo, mas tem se mostrado difícil por causa da fraca recuperação da economia nacional. Um dos fatores que ajuda, de certa forma, é o dólar alto, que acaba direcionando os brasileiros para o mercado doméstico; por outro lado, a vinda de estrangeiros ao Brasil não tem se mostrado uma outra face muito positiva; no primeiro semestre somente os meses de março e julho apresentaram um aumento da receita cambial em relação ao mesmo período do ano passado. Praticamente não existe crescimento das divisas por meio dos gastos dos estrangeiros de janeiro a julho, 0,46%.

Segundo dados do jornal Valor Econômico, o Brasil perdeu 5,4% dos turistas estrangeiros no primeiro semestre desse ano comparado com 2018. A grave crise por que passa a Argentina tem afetado bastante esses números, pois é o maior emissor de turistas ao Brasil, sozinha é responsável por 37.7% dos visitantes estrangeiros.

No mercado doméstico, a se basear pelos dados da aviação, 2019 tem sido até julho um ano negativo, com queda de 5,2% na oferta de transporte aéreo e uma queda de 4,55% na demanda em julho, segundo dados da ABEAR. Nos primeiros sete meses do ano, ainda há uma redução na oferta aérea de 2,04% e um aumento de 0,14% da demanda. O número de passageiros nesse período é um pouco maior do que 54,1 milhões de viajantes, um crescimento de 0,77% em relação ao mesmo período de 2018.

Cenário otimista para o longo prazo

Todos esses dados nos colocam em um cenário otimista para o longo prazo, porém pessimista para 2019, pelo menos até julho. De seu lado, o mercado turístico brasileiro continua apostando na recuperação do setor, fazendo promoções, lançando novidades e aproveitando para buscar melhores resultados no segundo semestre.

 

Jeanine Pires

Jeanine é especialista em turismo, palestrante e consultora. Foi presidente da EMBRATUR e atualmente é sócia das empresas Pires e Associados e MATCHER ( http://pireseassociados.com.br ).

Veja também